III CIFN

Temos livre arbítrio? Ou o livre arbítrio é uma ilusão sistemática? Quão livre somos (se de fato o somos em algum grau)? Pessoas distintas dispõem de diferentes níveis de autocontrole, liberdade e responsabilidade? Distintas ações têm diferentes graus de autoria? A neurociência da decisão fragiliza, fortalece ou, simplesmente, reafirma nossas noções morais e legais vigentes como autoria de ações, responsabilidade, culpa, dolo ou inexigibilidade de conduta diversa? Planejamento, racionalidade, intenções e emoções jogam que papel nos nossos processos decisórios? Até que ponto o livre arbítrio é ponto de partida questionável a partir do estado de arte da neurociência? Em que medida, esta ideia, um dos sustentáculos da civilização ocidental desde o advento das religiões monoteístas, segue viável? Tal conceito, que perpassa a história da filosofia como um conundrum clássico, é ainda uma premissa viável? A neurociência tem sido uma das áreas de maior progresso em tempos recentes em níveis mundiais. Entretanto, ainda nos falta a compreensão das repercussões éticas, morais e legais de suas descobertas, assim como, do escopo de validade epistemológica das mesmas. A filosofia da neurociência perfaz o papel fundamental de fazer essas considerações profundas sobre os temas acima, estabelecendo critérios éticos e epistemológicos para tal debate. Além de um desenvolvimento geral da produção acadêmica na área global de filosofia da neurociência, ganhos de entendimento dos temas específicos do livre arbítrio, agência e suas implicações éticas trazem não só avanço filosófico e ético como positivas repercussões práticas, tais como: a criação de políticas públicas e privadas nas áreas judiciárias, econômicas e de saúde pública. Isso permite uma atualização do debate sobre a racionalidade da ação sob um ponto de vista bem informado das potencialidades e limitações dos processos de tomadas de decisão envolvidos no agir humano. Noções como responsabilidade, imputabilidade e inexigibilidade de conduta diversa no direito dependem da compreensão dos temas que investigamos neste congresso. Igualmente, os conceitos econômicos como escolhas racionais e ótimas, decisões “rápidas e frugais” e a questão da oposição entre desconto hiperbólico e exponencial ganham luz com o debate fundacional na neurociência da decisão. Visamos que tal evento seja um divisor de águas na produção filosófica e científica na área no Brasil e na América Latina em geral. Não só os pesquisadores mais experientes e estabelecidos se beneficiam deste processo de intercâmbio de conhecimento e colaboração, bem como, o efeito multiplicador permite que jovens pesquisadores sejam inseridos em uma rede internacional de pesquisa.

Instituições Patrocinadoras

CAPES

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal De Nível Superior

FAPERJ

Fundação De Amparo À Pesquisa Do Estado Do Rio De Janeiro - Faperj.

CDEA

Centro De Estudos Europeus E Alemães

Powered by: BlackWeb ©

INFORMAÇÕES PRÁTICAS:

– Devido à pandemia, esse ano teremos tanto um evento on-line como um evento presencial (se possível)
– Nosso evento online é absolutamente GRATUITO;
– E contará com tradução simultânea em todas as sessões;
– Conferiremos certificados de participação.
– Inscrições começam 28 de abril – Inscrições limitadas